Arquivo | Parto, Parir, Gestar RSS feed for this section

Relato de parto semi-domiciliar, por Karoline Saadi

1 abr

“Amor, tu tens que parir um dia, é o melhor barato que existe!!!!” –

– Karoline Saadi, parindo Clarice, em 23 de março de 2015.

Hoje é 1º de abril, mas o que temos a oferecer é um presente muito verdadeiro!!!

Esse relato de parto ‘semi-domiciliar’ fala sobre luta, amor, determinação, o parto sonhado e o parto possível.

Só temos a agradecer a Karol por nos permitir compartilhar o relato dela aqui e as liiindas imagens de seu acervo pessoal – que tudo isso sirva de inspiração pra quem busca um empurrãozinho para ‘o lado do parto do bem’, como diz ela mesma.

—————–

Por Karoline Saadi

Para comemorar a primeira semana de vida da Clarice, o relato do nosso nascimento:

Então em julho ficamos sabendo que traríamos um novo ser para habitar esse mundo.
E no meio ao turbilhão de emoções, uma coisa eu sempre soube: o dia que eu fosse gerar uma nova vida, ela chegaria de forma respeitosa e amorosa.

Muitos e muitos anos trabalhando com gestantes e bebês me fizeram ver muita criança nascendo de cesáreas, e essa era, definitivamente, uma coisa que eu não queria pra mim. Não conseguia assimilar aquele bando de mulher saudável fazendo cirurgia para gestações também saudáveis… Mas e agora??? Eu também tinha conhecimento sobre o sistema obstétrico brasileiro, sobre os médicos cesaristas, sobre a falta de interesse e vontade em seguir com o parto normal sem intervenções, sem pressa, respeitando o tempo da mãe e bebê… e iniciamos a saga: Continue lendo

Humaniza… o quê?

12 mar

Humanizar não é parir dentro da água entoando cânticos enquanto mulheres nuas dançam ao seu redor.

Ok, pode ser isso também, se for esse o SEU jeito de se sentir segura e poderosa para parir em paz. Mas vai muito além disso.

Joseph Tomanek 1889-1974 [círculo de mulheres = sonho meu!]

Pode ser parir em casa, assistida pela família (e, de preferência por alguém habilitado a observar e orientar o trabalho). Pode ser parir no escuro, em silêncio, sem nenhuma intervenção. Pode ser parir num hospital, tudo branco, muita luz, cercada de médicos, enfermeiras e toda a parafernália hospitalar. Pode ser parir no mato, gritando feito o bicho que somos, de quatro apoios, nas mãos de uma parteira anciã (e talvez com aquelas mesmas dançarinas bruxas-nuas do exemplo inicial). Pode ser parir olhando nos olhos do seu marido, segurando na mão da sua mãe, chamando pelo seu filho…

Pode mais ou menos que tudo isso.

[E pode então haver cesárea humanizada? Ih… Essa resposta é muito pano pra pouca manga. Mas… Resumidamente: pode. Pode, sim, porque não? Da mesma forma que pode, e tem muito, parto normal traumatizante. Humanização não se trata da ‘via de saída do bebê’. Mas aqui, assumo como parto o normal – aliás, dizer ‘parto normal’ é redundância. E a cesárea? uma cirurgia. Com os riscos e as dores que toda cirurgia acarreta, e, portanto, torçamos para que não se precise de uma! Mas e se mesmo não precisando e sabendo de tudo-tudinho a mulher prefere uma cesárea à experiência do parto? Então, amiga: humanizemos!]

NOTA: “Embora um médico humanizado de verdade, jamais aceitará fazer uma cesárea sem necessidade”

– observação muito pertinente da Ma Morini sobre a questão.

 

Se tratando de humanização, o assunto é amplo. O que é certo então?

Certo é que a mulher a parir estará cercada por aqueles em quem confia, num lugar em que se sinta acolhida, na posição em que se sinta mais confortável. Todos que desse momento participarem, conhecerão o plano de parto que ela fez, saberão o nome dela, o nome do bebê por quem esperam e farão questão de lhes tratar assim.

Haverá respeito, haverá amor!

Ela não terá mais medo que coragem, ela não se sentirá sozinha ou hostilizada. A dor será apenas física, e será o de menos diante da grandeza da experiência.

Ela não será separada abruptamente do seu bebê, impedida de amamentar ou obrigada a qualquer outra coisa. Aliás, é isso: ela não será obrigada!

Porque humanização é, acima de tudo, RESPEITO!

Porque humanização é, acima de tudo, RESPEITO!

Ela se sentirá segura!

E, por fim, sobre o momento em que deu à luz uma vida, ela sempre se sentirá FELIZ.

—————————

E você, amiga-mães: se sente feliz com as memórias do parto?

Conta pra gente!

Eu,  não — clique > AQUI <  e entenda o porquê.

Parte 2: Meu tão sonhado Parto Domiciliar (nascimento da Giulia) – por Ma Morini

7 nov

E na segunda feira, 15 de setembro, acordamos eu e Pietro, estranhos. 38 semanas e 1 dia de gestação.

Saquei uma energia diferente no ar. Sabia que algo aconteceria e desconfiava muito que poderia parir naquele dia. Nossa rotina básica não se encaixou nesse dia. Estávamos aéreos.

Tinha feito as unhas no sábado, ja pensando que o parto se aproximava. Escolhi um esmalte lilás nas unhas, alias, eu passei quase toda gestação em sintonia com essa cor. Capa da almofada de amamentação, soutien de amamentação, tudo nesse tom. E entrei numa parada de comprar flores pra casa. Cada ida a feira, era um vasinho que eu trazia.

IMG_8533.JPG

Aproximadamente as 10 horas, enquanto trocava a fralda do Pi, me movimentei na cama de um jeito que forçou a musculatura da pelve. Nessa hora senti descer alguma coisa. Fui ao banheiro e era um líquido limpido. Pouco liquido. Nesse momento, gelei e deixei o iPad cair, que estava em uma mesinha no banheiro. Trincou a tela e com certeza aquilo foi mais um sinal, eu ia parir aquele dia.

Liguei pra parteira Karina e ela me disse que talvez a bolsa havia se rompido de forma alta. Porque eu perdia liquido numa quantidade muito leve e não saía o tempo todo. Ela pediu que eu a informasse caso surgisse a primeira coliquinha e se tivesse contrações. Ela ainda brincou dizendo que ficava com a pulguinha atrás da orelha comigo, porque o parto do Pietro evoluiu rapidinho, e o da Giu poderia ser mais rápido ainda.

Ao meio dia eu tive a primeira coliquinha, mas não contei pra ninguém.

IMG_8535.JPG

As segundas feiras eu costumo levar Pi numa senhorinha pra benzer. E nesse dia não seria diferente. Fomos e minha barriga também foi benzida. Saí de lá super pronta pra parir. Me sentindo iluminada, abençoada, forte.

Umas 14h, avisei a Ka que estava com cólica fraca, contrações idem e que eu estava super de boa. Por precaução, ela pediu a Thaís que viesse me ver.

Passei a tarde vendo Call The Midwife, dando atenção ao Pi e ajeitando umas coisinhas. Fiz mala da maternidade (caso precisasse do plano B), lavei louça, guardei as coisas para o PD em uma gavetona (toalhas e lençóis lavados e passados, absorvente pós parto, calcinha decartavel, lençol descartável, bolsa de água quente, peneira, etc), fiz chá de calêndula com camomila e coloquei em forminhas de gelo (pra usar no períneo no pós parto) e deixei todos os exames da gestação, documentos e plano de parto em um envelope em cima da mesa.

IMG_8534.JPG

Aí marido liga. Contar ou não contar que a parteira iria em casa me examinar? Poderia ser só os pródromos e eu ia preocupá-lo a toa. Contei. Mas pedi que ficasse em paz, de boa, que se nascesse, seria a noite.
Até parece que ele ficou de boa. Saiu da empresa e veio pra casa. No meio do caminho me liga, lembrando que estava no rodízio. Haha
Dias depois a multa chega 😒

As 18h Thaís chega e decidimos fazer um exame de toque. No grau baixo de dor que eu estava, achava que estaria com 1cm ou nada. Para minha surpresa, 4cm 😄 É, eu estava em total sintonia com meu corpo. Íamos conhecer nosso bebe muito em breve.

Fui fazer café e deixar coisinhas de comer na mesa, pra mim e pra todo pessoal. Amamentei Pietro. Marido chega. Vou pra bola. Altos papos com a Thais, sobre a filhinha dela, sobre a gestação, sobre o tempo, sobre a vida. Amamento Pietro. Marido infla piscina. Fica ansioso. Eu dou alguns coices no pobre. Peço que ele fique de boa. Ressalto que poderei virar o bicho quando as contrações mais fortes chegar. Amamento Pietro. Dores aumentam um pouquinho. Amamento Pietro. Recebo massagem do marido, enquanto Pi brinca pelado, entrando e saindo da piscina. Ligo pra fotógrafa. Dores aumentam. Karina chega. Lela fotógrafa chega.

IMG_8536.JPG

Tudo estava caminhando tranquilamente, mas tem que ter um momento de caos, se não não tem graça.
Pietro acompanhava tudo de perto, se divertiu em encher a piscina, em nadar, em ficar pelado. Ficou a vontade com as meninas e encantado com a maquina fotográfica da Lela. Ele sabia que aquilo tudo era pro nenê nascer. Ele viu muitos videos de nascimento comigo.

Só que aí o menino cansou de esperar. Chegou no limite dele. Estava exausto. Cansado. Querendo a rotina dele, a mamãe com a teteta, deitados na cama, de pijaminha, prontos pra dormir. Só que onde eu estava? Eu estava na piscina, tendo contrações fortíssimas, com dilatação total, na partolândia minha amiga.

Pietro começa a chorar desesperadamente. Renato não consegue, de jeito nenhum, fazer Pietro dormir. Chamei Pi pra ficar comigo na agua, dei peito la dentro e ele chorava e pedia para deitarmos na cama dele. Saí da piscina e amamentei o menino no sofá. Ele fechou o olho, dormiu e logo em seguida me veio uma contração ferrada, no mesmo instante eu desplugo Pi do peito e peço que Renato o chacoalhe. Mas aí Pi acorda e começa todo o desespero novamente.

Volto pra piscina e ordeno que Renato faça o filho dormir. Eu escutava o choro dele, olhava pras meninas, me concentrava, xingava Renato por dentro, por não conseguir acalmar o menino. Escutava Pietro tacando as coisas no chão e sentia a agonia, o desespero e a solidão dele. Eu sentia o mesmo e ficava imaginando como seria cuidar de dois filhos. Ele ainda tão pequeno e tão dependente de mim.

IMG_8538.JPG

Mais uma vez eu decido sair da piscina. Discuto com Renato e por fim, deito na cama com Pi. Todos saem de perto e nos deixam a sos. Tenho contrações fortissimas, daquelas que não se encontra mais posição confortavel. Pietro dorme. Desplugo ele do peito com muito cuidado pra tudo não se repetir e consigo. Respiro aliviada por um instante, até outra contração me tomar conta.

Levanto da cama dele e vou pro meu quarto. Nessa hora vejo um sangue bonito escorrer pelas minhas pernas. As meninas ajeitam tudo por lá. Sinto um calor infernal. Marido me abana com um leque salvador. Nesse momento já estou totalmente sem roupas. Nem aí pra aparência, em quem me via ou não. Alias, não consigo me lembrar em que momento tirei os oculos, o Japamala do pescoço, que tanto me deu força, presente especial da amiga Ju 💚. Não me lembro em que momento tirei o top. Total partolandia.

Em minha cama não encontro posição. Como doí, eu tinha me esquecido. A Ka pergunta se quero voltar pra piscina e eu topo. Lá vamos nós outra vez ajeitar tudo na sala. Entro na água. Recebo massagens incríveis da Ka. Ela joga agua na minha barriga tambem. Quanto cuidado. Eu só queria parir logo.

O parto de uma girafa não saía da minha cabeça. Esse parto aqui. Quando conversava não conseguia concluir o raciocínio. Na cabeça passavam muitas coisas. Muitos sentimentos de uma só vez. Não tinha palavras pra aquilo tudo. Ficava mentalizando o bebe passando, o útero se abrindo, tudo se abrindo. Rezava. As vezes minha vontade era ficar com as pernas fechadas. Mas aí me lembrava que precisava me abrir, que para toda aquela dor parar, o bebe tinha que nascer.

IMG_8549.JPG

E aí no meio dessa confusão toda de sentimentos e pensamentos, sinto a cabeça do bebê pressionando. Tudo começa a queimar. Solto uns gritos. Digo que tá doendo. Alguém me diz para colocar a mão e sentir a cabecinha. Coloco a mão e como uma criança desapontada, digo chorosa que não sinto ainda a cabeça. Mais uma contração e a vontade de fazer força surge. Na minha cabeça uma confusão entre fazer força ou não, deixar vir naturalmente ou forçar? Escolho fazer força e a cabecinha, finalmente nasce. Escuto o chorinho ❤️

IMG_8540.JPG

Com o corpinho ainda dentro de mim, ela já chorava. Anunciando ao mundo sua chegada.
A posição que melhor encontrei foi a de quatro apoios na piscina. Ela nasceu metade dentro, metade fora d’água. As mãos do pai e da Thaís a recepcionaram.

IMG_8548.JPG

Como havia pedido, ninguém me contou se era menino ou menina, eu queria ver com meus próprios olhos. O pai ja sabia que era nossa menininha.
Me virei, pulei o cordão umbilical e pude constatar e me emocionar e chorar e finalmente pegar minha pequena no colo. Nossa Giulia. Nome escolhido pelo irmão.

Era terça feira, dia 16 de setembro de 2014. As 00:55h.

IMG_8550.JPG

Continua…

Relato de Parto Natural/Leboyer

13 set

Por Denise Nappi

Fotos do acervo pessoal de Henry Bugalho e Denise Nappi [e de Phillipe tb]

Fotos do acervo pessoal de Henry Bugalho e Denise Nappi [e de Phillipe tb]

Quando comecei a pesquisar sobre as melhores opções de parto, tanto para mim quanto para o bebê, cheguei a conclusão de que eu queria parto natural, igual nossas bisas, índias e vaquinhas do campo, sem nenhum tipo de interferência médica, porém assistida por um parteira em ambiente hospitalar. Pronto, o plano era esse, então comecei a ouvir: Você está louca! Assim, sem anestesia, sem nada?!? Você não vai aguentar, vai implorar por medicação… blá blá blá.

Pois bem, bebês nascem na semana 40 (praticamente 10 meses), na semana 33 eu quase entrei em trabalho em parto prematuro e por isso tive que segurar o máximo ficando de repouso, estaria liberada na semana 37, assim foi feito…

Segunda feira, 26/08/2013 acordo com uma ligeira cólica, nada que me incomodasse…

Recebi minha doula em casa (uma pessoa que contratei para preparar meu psicológico e aguentar as longas horas de um trabalho de parto). Encontrei umas amigas e tudo parecia normal.

19h:30min da noite vou ao mercado, chegando lá sinto a bolsa estourar, com muita calma entro na fila, comento com a caixa e vou a casa fazer o jantar, eu já sabia que depois de estourar a bolsa, podia demorar ainda muitas horas, muitas dores e blá blá blá, eu saberia a hora certa de ir ao hospital, então fui fazer meu strogonoff, que estava morrendo de vontade.

Entre uma mexida na panela e outra, eu comecei a ter cólicas mais fortes, eu sabia que eram as contrações, mas como pintam como um horror, eu ignorei e pensei: Vou esperar o máximo que puder.

10h da noite fica pronto o jantar e eu não conseguia mais sentar para jantar, fui ao banheiro e… sangue!

Daí foi o bundalelê. PQP, corre que tem sangue! Liguei para a doula Continue lendo

Meu relato de parto – por Ju Blasina

10 jan

NOTA DA MÃE-AUTORA: dois anos depois… E sinto a necessidade de atualizar meu relato de parto – coisa que farei em breve! É como se só agora eu tivesse me distanciado o suficiente para enxergar o quadro inteiro! Continuo achando ele feio… Continuo com minhas cicatrizes, mas agora aprendendo a lidar com elas – e tirar disso um ensinamento que precisa ser registrado. Então, querem ler essa versão limitada do meu relato, please, leve em consideração essa nota, ok? E aguarde a versão mais realista – ao estilo Laura Gutman de quem já tomou um chá com a própria sombra e sobreviveu – melhorada! Bjus


 

Nove meses passados, é chegada a hora… a hora de voltar lá, onde se guarda as mais importantes lembranças, e reviver essa que pode ser definida como ‘a melhor dentre as piores experiências que se pode ter na vida’ – por ser difícil, por ser dolorosa, por ser transformadora de uma forma que é inconcebível até que se esteja imersa nela. Pois bem, vamos lá:

31 março 2012
Passei a gravidez inteira convicta de que teria um parto normal. Li tudo o que podia sobre o assunto, convenci meu médico – que preferia a segurança da hora marcada de uma cesárea – e tranquilizei minha mãe – que tem traumas do parto que ela ‘sofreu’ para o meu nascimento. Pois eu queria tanto, tanto um Parto Normal que nem cogitei a cesárea – eis meu erro…

A gente tem que estar preparado pra tudo nessa vida!

Minha bolsa estourou cedo, cedo demais em todos os sentidos: eu estava com 36 semanas e 5 dias de gravidez e foi 5 min faltando para as 4 da manhã. Era um sábado e eu tinha trabalhado até as 21h daquela sexta – só pretendia sair de licença daí a duas semanas, afinal, eu tinha tempo… Nem minha bolsa [a das coisas secas] tava terminada, só a do bebê. Como acontece com a maioria das mães de primeira viagem, levantei da cama num pulo [tão ágil quanto meu barrigão gigantesco permitia] achando que tinha vazado xixi [o que não andava acontecendo, ok!? eu juro!] e escorreguei no líquido melecoso amniótico – quase caí.  Tremia que nem vara verde. Liguei para o meu médico e ele marcou comigo no hospital 6h depois, a menos que antes eu tivesse dor. Não tive!

Passei a madrugada antes do Dimi nascer mega zen, terminei a minha bolsa no improviso, tomei uns 10 banhos, sequei o cabelo no secador, me depilei, me maquiei [sim, como não!?]. Esperei amanhecer para avisar minha mãe, afinal, eu tava bem, não queria apavorar ninguém. Ela me buscou perto das 9h – e a água vazaaando- e ainda passamos no banco e na loja em que eu tinha encomendado a banheira – que não chegou a tempo! [impagável a cara da atendente da loja, quando eu disse a ela que, então, teria que comprar em outro lugar, já que eu estava a caminho do hospital para… parir! hehehe]. Naquela última noite, ao contrário do que é indicado, eu não dormi – a ansiedade era grande demais pra isso – curti muito os últimos momentos com o bebê do lado de dentro [só meu!] e dancei com a barriga… Dancei ouvindo The Black Keys. Dancei cantando Marisa Monte [“vem, ‘pr’esse mundo’, deus quer nascer – há algo invisível e encantado entre eu e você…”]. Dancei muito! Aí, qdo cheguei ‘lá’ [no hospital, na hora da verdade], toda faceirinha, e meu doc disse que teria que ser cesárea mesmo, e ‘pra já’, chorei mto… e dancei de vez!

Dois dias antes do 'showtime'

Dois dias antes do ‘showtime’

Passadas 6h perdendo líquido e, nenhum sinal de trabalho de parto: nada de dilatação, nenhuma contração, nada além de água, muita água melequenta e morninha – o bebê poderia entrar em sofrimento. Eu entendi – não tinha escolha. E então, eu chorei, chorei muito… Chorei tudo que eu não tinha chorado no primeiro ultrassom ou quando eu soube o sexo do bebê. Chorei enquanto me despia para encarar aquela ‘camisola’ horrorosa – e tudo o que vem com ela. Menos de 20 min desde que pus minha barriga no hospital, e lá estava eu, sozinha naquela porcaria de sala fria – ser moderninha-e-independente’ nessas horas é uma merda – fiquei nervosa, tive medo e me senti muito sozinha. Senti falta de uma mão que segurasse a minha, de um carinho qualquer, senti falta da minha mãe – mas ela estava cuidando de toda a burocracia para que eu pudesse logo ‘entrar na faca’ e, mesmo que não tivesse, ela já estava suficientemente nervosa do lado de fora – dentro da sala, nem eu queria estar!

Só uma enfermeira, entre as tantas ‘cabeças de paninho’ que eu estava pagando para que cuidassem bem de mim e do bebê, só uma foi um amor e conversou comigo, enquanto eu surtava de completo pavor, imaginando que a anestesia fosse acabar antes do esperado – jamais vou esquecer dela me dizendo que tinha passado por isso três vezes, deitada naquela mesa, e que, honestamente, não seria bom, seria estranho e assustador, que eu sentiria muitas coisas, mas que dor não seria uma delas! Ela me prometeu isso – e ‘cumpriu’ – ela fez toda a diferença! Para os outros, eu era uma coisa – mais uma dentre as tantas ‘coisas’ que eles abrem e tiram coisinhas de dentro, a todo momento. Lembro bem o assunto que rolava entre eles: facebook. Se pelo menos me adicionassem na conversa, eu talvez tivesse curtido.

Odiei fazer cesárea, odiei com todas as minhas forças aquela mesa em que parecem que estão sovando pão ou batendo roupa dentro da gente! O depois então… nem se fala [dor, dor, muita dor – de cabeça, na barriga… Inchaço de não calçar sapatos – pior que em toda a gravidez – e hematomas pra todo o lado, graças a mil injeções e soro e a violência que é todo esse processo], mas… o que se há de fazer? No meu caso, não foi uma escolha, e como se diz por aí, “tem males que vem pra bem”: Dimi enrolado na anaconda que era o meu cordão umbilical, se o parto fosse Normal, como eu tanto queria, sabe-se lá como seria… Assim que meu filhotinho deu seu primeiro choro, o médico disse “foi deus quem estourou essa tua bolsa, guria!” e a equipe toda soltou interjeições: eram cinco circulares de cordão, CINCO!!! O “bacana” é que eu fiz 11 ecografias durante o pré-natal, mas nenhuma 3D [uma vez que tudo parecia perfeitamente bem], e não se fazia a menor ideia disso!

Dimitri ao nascer, com seus míseros 47,5cm e 2670g

Dimitri ao nascer, com seus míseros 47,5cm e 2670g

Pior que tudo isso foi, depois de todo aquele tempo num só corpo, ter o bebê arrancado [o sentimento é esse] e levado pra longe: primeiro, para uma bancada fria na qual fuçam nele e nada dizem – e ele berrava e eu fazia perguntas ao vento [e chorava, chorava muito], ah, não fosse a anestesia tão  eficiente… Depois, a sala de recuperação, onde pessoas gemem, outras roncam e o reencontro com o bebê depende de se ‘poder com as próprias pernas’ [e as minhas custaram tanto a recuperar os sentidos que, horas depois, fui para o quarto ainda ‘sem elas’ e assim fiquei até anoitecer – só que junto ao bebê, o que melhora tudo ;]

—————————

Resumindo: confirmei na pele o que eu sempre disse: se o corpo fosse feito para ser aberto, viria com zíper! Fora isso, foi um susto, tudo saiu fora do planejado, mas foi também a coisa mais maravilhosa do mundo ver aquele rostinho, tão pequeno e ao mesmo tempo tão forte, pela primeira vez!

Uma amiga minha que teve um bebezão de P.Normal me diz que se sentiu muito bicho durante o parto dela, pois eu me senti muito coisa no meu – é de se entender as mulheres que se tornam mais duras depois da maternidade – é o trauma do parto. É de se entender mais ainda a Depressão Pós-Parto – é um alívio que não atinja 100% dos casos.

Dias depois, eu olhava para o meu passarinho [porque o Dimi  era tão magrelo que parecia que ia quebrar] e dizia pra ele ‘tu tens que ficar muito bem e muito lindo pra que tudo isso compense, hein” – e ele ficou ;]

Num 31 de março de 2012: Dimi

Num 31 de março de 2012: Dimi

Que difícil falar dessas coisas… Nossa!

Obrigada por ter lido – é bom ter companhia dessa vez ;]

Bjus mil

JuB.

 

P.S.: uma lembrança [ainda mais] bizarra: Continue lendo

%d blogueiros gostam disto: